Índice >> Serviços >> Cursos >> Artigos >> Os Crop Circles (círculos nas plantações) 

Os Crop Circles (círculos nas plantações)

Os Crop Circles (círculos nas plantações)

Francisco Godinho - 02/08/2011

Veja os vídeos com as provas...

As ligações estão no final do artigo.

Os Crop Circles (círculos nas plantações)

Círculos nas plantações[1] (crop circles em inglês), ou círculos ingleses, são termos usados para referir os conjuntos de figuras geométricas desenhadas amassando parcialmente campos de trigo, cevada, centeio, milho ou colza (nabiça). Esses círculos são geralmente vistos quando um disco voador alienígena[2] pousa nos campos de trigo e os seus artefactos deixam marcas nos campos. Estas figuras são melhor observadas dum ponto mais alto, fazendo pouco sentido quando são observadas ao nível da plantação. A aparência geométrica é influenciada por fractais[3]. Os crop circles não eram realmente um fenómeno observado até, talvez, meados de 1980. Eles são conhecidos por aparecer em espaços tão distintos como campos de tabaco, trigo, colza, neve, florestas de árvores coníferas e noutras áreas. Desde então, eles têm sido relatados em 29 países diferentes.

Conhecidos e documentados são, ainda que inexplicáveis, círculos gerados pela natureza. São exemplos disso os anéis de fadas e os círculos de Angola (estas são formações onde, sem razão aparente, se formam círculos perfeitos sem vegetação, predominando no sul de Angola e Namíbia). Um anel de fadas ou um círculo de fadas, também conhecido como um anel de fada, é um anel que ocorre naturalmente formando um arco de cogumelos. Os anéis podem atingir mais de dez metros de diâmetro e tornam-se estáveis ao longo do tempo, porque o fungo cresce e procura alimento subterrâneo. Mesmo que nenhum cogumelo seja visível, a presença do fungo subterrâneo às vezes pode ser detectada pela observação do definhamento de grama directamente acima dele. No folclore Inglês, os anéis de fadas foram tidos como causados por fadas ou duendes a dançarem em círculo, provocando o desgaste da erva sob os seus pés. No folclore escandinavo, esses círculos foram atribuídos aos elfos e chamavam-lhes alvdanser, ou seja danças dos elfos.

Evidências históricas
Uma das mais antigas referências de círculos nas culturas data de 1686, quando o professor Robert Plot[4] descreveu dois deles, após os ter examinado minuciosamente e afirmou que os solos “sob todos eles estavam mais soltos e secos do que o normal e as coisas dentro deles estavam cobertas por uma espécie de pó branco muito parecido com o que aparece no pão bolorento, com um cheiro a mofo rançoso, mas com gosto insípido.”, tal como é narrado em A Natural History of Staffordshire (1686), porém, algumas referências que li lançam dúvidas sobre a validade desta história.

Outra formação de culturas, da mesma época (século 17), também obtida a partir da História Natural de Staffordshire ocorreu nos campos de St. Giles do University College, onde um diagrama composto por uma nuvem e uma trombeta ilustra a hipótese de que as formações nas colheitas “têm de ser os efeitos da explosão de luz a partir das nuvens” e, neste caso, as nuvens “quebraram-se primeiro numa figura quadrangular e depois numa ampla forma circular.”.

Outra história mais tardia data de 1678. O panfleto fala dum agricultor que, recusando-se a pagar o preço exigido por um trabalhador para cortar o seu campo, jurou que preferia que o Diabo o ceifasse em seu lugar. De acordo com o panfleto, naquela noite esse campo parecia estar em chamas e, na manhã seguinte, o campo foi encontrado perfeitamente ceifado, sobrenaturalmente perfeito, na verdade. De facto, determinadas provas, como por exemplo este panfleto intitulado Mowing-Devil, com a data de 1678, sugerem o aparecimento de círculos muito antes do século 20. No entanto, existem diferenças importantes entre os narrados na história e os círculos nas plantações modernas.

Em Julho de 1880 o prestigioso periódico científico inglês Nature (Volume 22, páginas 290-291) publicou uma carta de J. Rand Capron[5], espectroscopista britânico, na qual ele descreve a sua descoberta e análise posterior de múltiplas áreas circulares de trigo achatado numa fazenda no sul da Inglaterra. Ele descreve áreas de cultura “... formando manchas circulares [com] alguns talos de pé como um centro, alguns caules prostrados com as espigas dispostas bastante uniformemente numa direcção, formando um círculo em torno do centro, formando esses uma parede circular de hastes que não sofreram dano.”. Capron sugeriu que esses círculos achatados eram o resultado de” alguma acção ciclónica do vento”e juntou-lhe um esboço “ mais perfeito” desses círculos que, infelizmente, a Nature não publicou.

A actualidade
Num grande número de casos, as testemunhas relataram culturas achatadas após a aterragem de um disco voador. Um desses casos foi em Tully, na Austrália, às 9 horas da manhã do dia 19 de Janeiro de 1966, um dia calmo de sol, um fazendeiro de bananas, com 28 anos, chamado George Pedley conduzia um tractor perto da lagoa Horseshoe ,na propriedade de Albert Pennisi, perto de Tully, a norte de Queensland, na Austrália. Quando estava a cerca de 25 jardas da lagoa, ouviu o som de um assobio muito acima do ruído do tractor e pouco tempo após este evento, foi encontrado um crop circle em Farmland Nearby, nas proximidades.

O folclore e as evidências sugerem que a história recente dos círculos das colheitas já é longa, tendo os primeiros começado a ser fotografados em 1966. Estes apareceram em fotos colhidas na Austrália. Os primeiros círculos na Suíça remontam a 1975 e 1976. As primeiras fotografias de círculos em plantações na Inglaterra, foram tiradas em Hampshire, em 1978. A existência de mais provas fotográficas demonstra actividade em todo o mundo, com um foco muito especial no sul da Inglaterra. Em 31 de Julho de 1985, Busty Taylor encontrou e Michael Green fotografou uma formação de 5 círculos juntos numa seara em Lonstock, no Hampshire, Inglaterra, com um desenho interior formando um arco de espiral completo. A 5 de Agosto de 1989, em Winterboure Stoke, junto a Stonehenge, na Inglaterra, foi encontrado um círculo bastante grande, que Colin Andrews fotografou, tendo o seu desenho um aspecto de raio quase rectilíneo.

As mandalas surgem inexplicavelmente em regiões variadas, predominantemente na Inglaterra, mas já foram vistas em pelo menos 29 países; são desenhos altamente complexos e de grande simbolismo místico, como cruzes, estrelas, pentagramas, borboletas, formas circulares e geométricas, matemáticas, animais (insectos), entre muitos outros.

O fenómeno já foi observado em vários países por todo o mundo, parecendo ter começado na Inglaterra na década de 1970. Desde então foram sugeridas várias explicações para o misterioso aparecimento de tais desenhos, que envolvem desde acontecimentos naturais a visitas de extra-terrestres (de facto os crop circles são um assunto recorrente na ufologia).

Bryce-Bond e Arthur Shuttlewood, primeiras testemunhas modernas círculos nas plantações, em Warminster, Inglaterra, na noite de 12 Agosto de 1972. Conta o primeiro “De repente, ouvi um barulho. Parecia que algo fora empurrado para debaixo do trigo. Naquela noite, o ar estava completamente imóvel. Olhei em redor. A lua acabara de aparecer, brilhando intensamente. À frente dos meus olhos eu podia ver uma grande marca a tomar forma. O trigo foi forçado para baixo no sentido horário.”

Na noite de 10 de Julho de 1990, os habitantes da aldeia de Alton Barnes ouviram um zumbido peculiar que fez com que todos os cães da aldeia latissem sem parar durante toda a noite. Quando a luz do amanhecer banhou o Valey of Pewsey, nenhum dos carros dos agricultores quis funcionar. E quando se aproximaram dos seus campos ninguém podia acreditar no que os seus olhos viam: um pictograma com 603 pés estava majestosamente instalado no meio duma seara de trigo.

De acordo com um estudo, quase metade de todos os círculos encontrados no Reino Unido em 2003, estavam localizados num raio de 15 km com centro em Avebury. Estas figuras normalmente aparecem durante a noite, mas também já ocorreram de dia.

A localização de muitos crop circles nas plantações perto de monumentos antigos, como Stonehenge[6], cairns (mamoas)[7], e hill figures (figuras de encosta)[8] tem levado muitos sistemas de crença da Nova Era a aceitá-los como mensagens codificadas.

A partir da década de 1990 a complexidade dos padrões dos crop circles encontrados aumenta substancialmente. Alguns defensores da Nova Era têm relacionado os crop circles com Gaia, alegando que “Gaia”, a terra, está viva e que os círculos nas plantações são mensagens ou respostas a estímulos como o aquecimento global e a poluição humana. Afirmam que a Terra deve ser encarada como um super-organismo único, em que os componentes terrestre (por exemplo, a ecologia, o clima, temperatura, luz solar, etc.) se influenciam mutuamente e são organizados para funcionar e se desenvolverem como um todo.

A mensagem de Arecibo
Em 1974, o SETI[9] usou o radiotelescópio porto-riquenho de Arecibo (o maior telescópio fixo do mundo) para enviar para o espaço uma transmissão que ficou conhecida como a Mensagem de Arecibo. Foram efectuadas algumas alterações no transmissor do radiotelescópio, permitindo transmitir sinais com até 20 terawatts de potência. Como teste inaugural, foi decidido pelo SETI transmitir uma mensagem codificada para o universo.

Este sinal foi direccionado para o agrupamento globular estelar M 13, que está a aproximadamente 25.000 anos-luz de distância, e possui cerca de 300.000 estrelas na Constelação de Hércules. A mensagem foi transmitida exactamente em 16 de Novembro de 1974, e consistia em 1679 impulsos de código binário que demoraram três minutos para serem transmitidos na frequência de 2380 Mhz.

Em 21 de Agosto de 2001 foram encontrados círculos em plantações no Reino Unido que supostamente seriam uma resposta a essa mensagem enviada pelo radiotelescópio de Arecibo em direcção ao aglomerado estelar M31.

Factores para a verificação da veracidade dum crop circle
Algumas pessoas têm sugerido que os crop circles são o resultado de fenómenos meteorológicos extraordinários, porém, basta observar a complexidade e a exactidão dos desenhos para pormos de lado tal hipótese.

Algumas empresas encomendam a artistas de círculos (circlemakers em inglês) desenhos nas plantações com objectivos publicitários, o que dificulta a diferenciação entre os círculos feitos com tal objectivo e um círculo verídico (teoricamente, não feito pelo homem). Porém, há alguns factores que determinam se um círculo é ou não é genuíno:
•        A normalidade na irrigação da plantação.
•        A ausência de qualquer vestígio de acção humana, marcas de pneus, combustível, ou ferramentas cortantes.
•        As plantas onde estão os círculos sofrem muitas vezes mutações a nível celular (os seus caules apresentam nós não condizentes com o crescimento normal).
•        O perfil magnético registado por um magnetómetro imita a forma real do círculo.
•        São encontrados pequenos rastos de materiais magnéticos impregnados nas plantas.
•        Alguns círculos nas plantações apresentam em especial isótopos não-naturais, que são sintetizáveis apenas em laboratório. tais como telúrio, vanádio, bismuto, európio, e itérbio.

Em Julho de 2008, tive ocasião de percorrer um crop circle que havia aparecido dias antes numa seara mesmo junto às habitações de Avebury. As plantas de trigo que formavam o desenho tinham um aspecto vivo e continuavam a crescer, estando curiosamente retorcidas mas não quebradas. Pude constatar também que não eram visíveis quaisquer provas do recurso a ferramentas nem marcas da passagem de veículos com rodas. Surpreendentemente, ainda possuo algumas das plantas que trouxe comigo e que continuam torcidas exactamente no mesmo ângulo, ainda que as tenha colhido em pontos diferentes do crop circle.

Efeitos nas plantas e nos solos
Estão documentadas formações vegetais não-geométricas com plantas que apresentam mutações anómalas junto a crop circles “geométricos” (aqueles em que é aparente um desenho reconhecível). Também são encontrados muitos casos de culturas achatadas dispostas não geometricamente. Chamadas “lodging” (alojamento) por muitos agricultores, acreditando eles ser esse fenómeno o resultado de sistemas climáticos intensos que colidem com as plantas já enfraquecidas por uma fertilização excessiva (ao ser aplicado à cultura nitrogénio a mais, as espigas ficam maiores e pesam mais, tornando assim a haste da planta mais susceptível ao vento e à chuva). Testes de muito poucos destes padrões achatados não geométricos (particularmente quando são encontrados na vizinhança de locais onde formações geométricas ocorrem regularmente) em grande número de casos tem revelado plantas com as mesmas anormalidades encontradas nos eventos “geométricos”, e em maior grau que aquelas, na maioria dos casos.

Em vários casos, foram descobertas formações de crop circles em campos que, posteriormente, muitas vezes dentro de apenas um ou dois dias mostraram evidências de ter sido revisitadas pelo sistema de energia que criara os círculos. Este tipo de repetição da acção do sistema energético envolvido na criação de círculos tem sido visto em todos os países estudados até agora. É bastante interessante notar que, em alguns casos, essa acção também pode produzir recursos adicionais, que parecem reforçar ou corrigir geometricamente com um design bastante original que substitui algumas áreas aleatoriamente abatidas.

A energia de microondas parece responder às seguintes perguntas:
1) Que força, normalmente invisível, é capaz de tal acção dentro de uma duração tão curta de tempo (possivelmente 20 segundos)?
2) O que pode explicar as “bolas de plasma” fotografadas por cientistas japoneses e britânicos sobre os campos de trigo na Inglaterra, onde foram descobertos mais tarde formações vegetais?
3) Como pode a criação de crop circles ocorrer tanto durante o dia como à noite, sem que haja detecção por radares locais ou pelas câmaras de visão nocturna, com ou sem vento, por exemplo, em noites de nevoeiro, como por exemplo, em Wiltshire, a 27 de Junho de 1991?
4) O que poderia ser responsável por uma névoa muitas vezes vista logo após a formação de um crop circle?
5) O que poderia ser responsável pelo “chilrear” e pelo “piar”, sons gravados em algumas formações?

A BLT Research têm um estudo sobre o solo dum crop circle que foi encontrado em Setembro de 1999 Edmonton, Alberta, no Canadá. O facto de que o campo estar infestado de cardo do Canadá, o que tornava quase impossível andar no campo sem protecções muito resistentes, tendia para continuar a descartar a possibilidade de que esta formação tenha sido produzida mecanicamente.

Experiências efectuadas no Canadá revelaram que as sementes de plantas de trigo colhidas no interior dos crop circles crescem mais rapidamente e de forma mais homogénea que as de controlo. Um outro estudo debruçou-se sobre as propriedades electromagné-

ticas das plantas afectadas e quase todas elas eram atraídas por imãs, notando-se que tinham aderido a algumas delas umas esferas microscópicas (com 10 a 40 microns) de ferro puro magneticamente sensibilizado, revelando que haviam sido expostas a um campo magnético intenso. Os nós das plantas no interior dos crop circles passam a crescer mais que os restantes, alongando-se mais que 3 vezes relativamente aos normais.

Minerais de argila (ilita/esmectita) das amostras extraídas da superfície dos solos nos locais onde as plantas estavam afectadas, foram submetidos à análise de raios-X de difracção e os resultados foram submetidos à opinião do Dr Robert C Reynolds, Jr., um respeitado cientista. Nas palavras de Reynolds, “a possibilidade de crescimento do cristal parece remota” pois o grau de pressão que se sabe ser necessário para causar o crescimento de cristais em depósitos sedimentares teria, se tivesse estado presente, destruído as plantas completamente, sem mencionar as temperaturas entre 600-800 ºC, durante um período de várias horas, que se sabe ser necessário para promover o crescimento de cristais como em laboratório teria incinerado por completo qualquer material vegetal presente no campo do crop circle. Além disso, as rajadas muito breves, possivelmente, de intensa radiação de microondas que se pensa serem a causa do alongamento e na criação de cavidades de expulsão dos nós (por meio de aquecimento e expansão da humidade da polpa interna) não poderia jamais ser suficiente para o crescimento desses cristais.

Alguns pesquisadores observaram que a geologia de uma área pode ser muito importante no fenómeno Crop Circle - talvez devido à quantidade de água no aquífero. A maioria da área onde são encontradas formações vegetais no Reino Unido, é constituída principalmente por giz.

Testemunhas oculares, tais como pastores e agricultores, revelam que, ao contrário do terreno circundante, que ao alvorecer está bastante húmido, no interior dos crop circles recém-formados tudo está bastante seco.

Os círculos produzidos por humanos
Pelo contrário, comparativamente à aparente sofisticação destes crop circles, os que são criados pelo homem revelam formas bastante grosseiras de obter os desenhos, havendo mesmo alguns que usam apenas tábuas para pisar as plantas.

O método mais amplamente conhecido, usado por pessoas isoladas ou em grupo, para a construção de círculos em culturas é amarrar uma extremidade duma corda a um ponto fixo e a outra extremidade a uma placa ou tábua que é usada para esmagar as plantas, envolvendo os métodos mais recentes o uso de rolos para cortar grama.

Em 1991, os auto-proclamados brincalhões Doug Bower e Dave Chorley afirmaram que tinham iniciado o fenómeno em 1978, fazendo círculos reais em culturas com o uso de ferramentas simples. Após o seu anúncio, numa demonstração, os dois homens fizeram um desenho em cerca de uma hora.

No Reino Unido, desde o início dos anos 1990, os artistas Rod Dickinson e John Lundberg e, posteriormente, Wil Russell e Rob Irving, têm vindo a criar alguns círculos (não só no Reino Unido, mas também por todo o mundo), tanto como parte da sua prática da arte como para satisfazer encomendas de clientes comerciais.

Na noite de 11 para 12 de Julho de 1992, efectuou-se em Berkshire, no Reino Unido, uma competição de círculos artísticos, com um prémio de vários milhares de libras esterlinas (parcialmente financiado pela Fundação Arthur Koestler). O círculo vencedor foi produzido por três engenheiros, utilizando corda, tubos de PVC, um cavalete e uma escada. Outro concorrente usou um pequeno rolo de jardim, uma prancha e uma corda.

Em 2002, o Discovery Channel encomendou a cinco estudantes de aeronáutica e astronáutica pós-graduados do MIT a criação de círculos com o objectivo de distinguir crop circles “reais” das falsificações conhecidas, tais como as criadas por Bower e Chorley. A criação dos círculos foi gravada e usada no documentário do Discovery Channel “Crop Circles: Mysteries in the Fields”.

Procurando chamar a atenção pública sobre si, Doug Bower e Dave Chorley afirmaram aos jornalistas que um pequeno grupo de pessoas pode pisar uma considerável área de cultura numa única noite, o que não significa que tal seja feito usando os pés, mas com recurso a ferramentas simples para fazer os círculos nas plantações. No entanto, Bower e Chorley, tiveram muitas vezes de retratar as suas afirmações anteriores de quais os círculos que haviam feito, e quando confrontados e instados a fornecer detalhes relativos às relações geométricas a que haviam recorrido na produção dos círculos, apenas respondiam “oh, esse não foi feito por nós”. Essa atitude suspeita provocou que se chegasse à conclusão de que eles estavam apenas a tentar confundir a questão e a fazer crer que os crop circles sejam vistos como uma “franja” do campo de pesquisa “esotérica”.

À laia de conclusão
A produção de crop circles parece ser uma actividade consciente e inteligente exterior, na qual aparentemente participam vórtices de plasma bem como outras fontes de muito altas frequências. Vários pesquisadores têm apontado que a evolução da consciência parece ser um aspecto importante do fenómeno. A ideia básica é que uma inteligência exterior está a usar Crop Circles com mensagens e simbolismo para nos fazer perceber que “não estamos sozinhos” e que outras formas de inteligência podem expressar-se de formas que nós não entendemos completamente.

O fenómeno geral Crop Circle é complexo: na compilação deste artigo encontrei enormes quantidades de informação que tentei digerir. Os crop circles não têm uma causa única (como o fenómeno ÓVNI, por exemplo), como é sugerido pela abundância de provas que cada uma das fontes suporta. Eles não são causados apenas pelo homem, mas as anormalidades verificadas nas plantas não parecem ser um indicador confiável para atribuir a não-humanos a formação dos crop circles.

A complexidade dos padrões tem aumentado nos últimos 20 anos e, novamente, parece excluir os humanos como a sua única causa. A “Alien Head” é uma imagem extraordinária e ninguém se apresentou para explicar exactamente como foi feita. Eu afirmaria, pelo menos, duas fontes diferentes e distintos de inteligência fizeram as formações:
A) A “forma” e o simbolismo “graficamente codificado”, como por exemplo, o simbolismo maia e até mesmo o simbolismo illuminati.
B) Mensagens mais “literais”, como a codificação “binária” utilizada na formação “Allien Head” e na “resposta Arecibo”.

Evidências muito recentes
Seguem-se apresentados por ordem cronológica crescente, alguns dos crop circles encontrados em Inglaterra ao longo do mês de Julho de 2011:
Último crop circle (o escorpião voltou) (04-07-2011)

Novos crop circles com 'mensagens' (04-07-2011)

2º crop circle em Honeystreet, Alton Barnes, Wiltshire (04-07-2011)

Novos Crop Circles em Honey Street (04-07-2011) e em Stanton St Bernard (11-07-2011)

Novo crop circle em Milk Hill, Wiltshire (06-07-2011)

Incríveis Crop Circles em espiral em Chaddenwick Hill e Windmill Hill, no Wiltshire (13-07-2011)

Novo crop circle em Warren Farm, Hampshire (14-07-2011)

Novo incrível Crop Circle em Overton Down, junto a Avebury, no Wiltshire (18-07-2011)

Crop Circle em East Kennett, perto de Avebury, Wiltshire (22-07-2011)

Novo Crop Circle em Roundway Hill, junto a Devizes, Wiltshire (23-07-2011)

Novo Crop Circle em Etchilhampton, Wiltshire (25-07-2011)

Novo grande Crop Circle em Windmill Hill (26-07-2011)

Novo crop circle em Rivar, no Wiltshire (29-07-2011)

Crop Circle em West Woodhay Down, Inkpen, no Wiltshire (29-07-2011)

Crop Circle muito grande em West Woodhay Down, Wiltshire (29-07-2011)

580 imagens de crop circles em 50 segundos desde 1998 até 2010!


[1] Um crop circle é um padrão de tamanho considerável criado pelo achatamento de parte das plantas duma seara (em geral de trigo, cevada, centeio, milho, ou colza), formando desenhos que nem sempre são de forma circular. A data exacta em que os crop circles começaram a aparecer é desconhecida, mas os casos documentados aumentaram substancialmente a partir dos anos 1970 e, até finais 2001, vinte e seis países tinham relatado e documentado o aparecimento de aproximadamente dez mil crop circles, no último terço do século 20, sendo 90% deles localizados no sul da Inglaterra. Muitas das formações que aparecem nessa área estão posicionadas perto monumentos antigos, como Stonehenge.

[2] Extraterrestre, extra-terreno, ET, alienígena, são termos que se referem a tudo aquilo que é de fora do planeta Terra. A expressão comummente designa outros planetas e os seres vivos, inteligentes ou não, que lá vivam. O estudo do fenómeno extraterrestre evoluiu muito nas últimas décadas com o crescimento do interesse da população pela vida fora do planeta Terra. A ufologia é o nome popular utilizado para o estudo de indícios de vida fora do planeta, mas o nome academicamente aceite é “exobiologia”. A literatura, o cinema e a televisão já exploraram muito a possibilidade de contacto com seres inteligentes de outros planetas (chamados ETs), porém muitas vezes estimulando a ideia de um contacto hostil, o que causa o protesto de alguns ufólogos. Devido a essa influência negativa dos média, boa parte da população teme um contacto com seres extraterrestres. Em Portugal usa-se a sigla OVNI para designar Objecto Voador Não-Identificado, equivalente ao inglês UFO que é Unidentified Flying Object. Muitas pessoas acreditam que a aparição desses objectos seja a prova não apenas da existência de vida extraterrestre, mas também de que seres de outros planetas visitem o nosso. Os pesquisadores dessas aparições são chamados ovniologistas ou ufólogos.

[3] Os fractais (do latim fractus, fracção, quebrado) são figuras da geometria não-Euclidiana. A geometria fractal é o ramo da matemática que estuda as propriedades e comportamento dos fractais. Descreve muitas situações que não podem ser explicadas facilmente pela geometria clássica, e foram aplicadas na ciência, tecnologia e arte gerada por computador. As raízes conceituais dos fractais remontam a tentativas de medir o tamanho de objectos para os quais as definições tradicionais baseadas na geometria euclidiana falham. Um fractal (anteriormente conhecido como curva monstro) é um objecto geométrico que pode ser dividido em partes, cada uma das quais semelhante ao objecto original. Diz-se que os fractais têm detalhes infinitos, são geralmente autossimilares e não dependem da escala. Em muitos casos um fractal pode ser gerado por um padrão repetido, tipicamente um processo recorrente ou iterativo. O termo fractal foi criado em 1975 por Benoît Mandelbrot, matemático francês nascido na Polónia, que descobriu a geometria fractal na década de 1970, a partir do adjectivo latino fractus, do verbo frangere, que significa quebrar.

[4] Robert Plot (nascido em Borden, Kent, England, a 13 de Dezembro 1640, faleceu a 30 de Abril de 1696, na terra natal) foi um naturalista Inglês, primeiro professor de Química da Universidade de Oxford, e o primeiro conservador do Ashmolean Museum. Ele foi educado e, posteriormente, leccionou na Magdalen Hall, Oxford, antes de se mudar para o University College, em 1676. Foi patrono do University College e doou uma estátua do rei Alfred ao Colégio (erroneamente acredita-se ser o fundador do Colégio).

[5] John Rand Capron (nascido a 19-02-1829 em St. Leonards, Shoreditch, London, England, falecido a 12-11-1888 em Eastbourne, England) foi cientista amador, astrónomo e fotógrafo. Apesar de ser advogado por profissão, ele tornou-se um especialista em espectroscopia, particularmente em relação à aurora, e publicou muitos artigos durante a sua vida. Ele também é lembrado por uma carta especulativa, na revista científica Nature acerca da incidência precoce de "crop circles", na qual ele sugeriu que eles foram causados pela “acção ciclónica do vento”.

[6] Stonehenge (do inglês arcaico “stan” = pedra, e “hencg” = eixo) é um monumento megalítico da Idade do Bronze, localizado na planície de Salisbury, próximo a Amesbury, no condado de Wiltshire, no Sul da Inglaterra. Constitui o mais visitado e conhecido círculo de pedras britânico e é incerta a origem da sua construção, bem como a sua função, mas acredita-se que era usado para estudos astronómicos, mágicos ou religiosos.

[7] Uma mamoa ou tumulus (plural tumuli) é um montículo artificial que cobre uma câmara dolménica. Pode ser de terra, revestida por uma couraça de pequenas pedras imbricadas, ou ser apenas constituída por pedras, sendo então designada usualmente por “cairn”, do escocês càrn (que se pronuncia 'kern'). O nome mamoa foi originado pelos romanos aquando da sua chegada à Península Ibérica, que deram o nome de mammulas a estes monumentos, pela sua semelhança com o seio de uma mulher. Embora hoje sejam muito raras as mamoas que apresentam um volume hemisférico, devido aos agentes erosivos e às violações de que foram alvo, a sua forma seria em geral a duma calote esférica.

[8] Uma hill figure, ou figura de encosta, é uma grande representação visual criada pelo corte da vegetação numa encosta íngreme e revelando a geologia subjacente. É um tipo de geoglifo normalmente concebido para ser visto de longe e não por cima. Em alguns casos são cavadas trincheiras preenchidas depois com materiais mais brilhantes do que a base natural. Este novo material é muitas vezes giz, uma forma macia e branca do calcário, levando ao nome alternativo da figura de giz para esta forma de arte.

[9] SETI (sigla em inglês para Search for Extra-Terrestrial Intelligence, que significa Busca por Inteligência Extraterrestre) é um projecto que tem por objectivo analisar o máximo de sinais de rádio captados por radiotelescópios terrestres (principalmente pelo Radiotelescópio de Arecibo), a partir da ideia que se existe alguma forma de vida inteligente no universo, ela tentará se comunicar com outra formas de vida através de ondas electromagnéticas (sinais de rádio), pois estas representam a mais rápida forma de transmissão de informação conhecida.

 

Nota: Os textos apresentados nesta secção são da inteira e exclusiva responsabilidade do respectivo autor ou compilador e reflectem apenas o seu ponto de vista, podendo não corresponder às opiniões ou pareceres dos restantes colaboradores.

<  índice  voltar  >
Nota: Os produtos, técnicas, terapias e informações deste sítio não substituem a consulta do seu médico ou especialista!

Sede e Endereço Postal: Florais ZED - Centro Comercial D. Dinis, Sala 703 - Av. Combatentes da Grande Guerra - 2400-122 LEIRIA - PORTUGAL
Telefones: 00351 244836160, 00351 938195335         e-Mails: Terapias, Formação e Produtos [].
Está absolutamente interdita e sujeita a processo judicial qualquer forma de cópia ou reprodução dos conteúdos das páginas deste sítio.
O 7ºzed - Escola de Reiki ZED de Leiria é a sede física dos Florais ZED, essências florais de Portugal desde 2001
Copyright © 2006-2017 - Francisco Godinho, Leiria.  Web-Designer [] Última modificação desta página: 01/01/17 Visitas desde 01/10/06: contador para blog