Índice >> Serviços >> Cursos >> Artigos >> Há muitos médicos assustados… 

Há muitos médicos assustados…

Há muitos médicos assustados…

Francisco Godinho
18-10-2019

Há muitos médicos assustados…

Há muitos médicos assustados…

… pois há, e têm muita razão para isso.

O paradigma da medicina está a voltar gradualmente ao que não deveria ter deixado de ser: uma integração entre a novidade científica e tecnológica e o conhecimento e práticas ancestrais de resultados comprovados, num compromisso ético sustentável.

Tal não feito durante mais de um século, no decurso do qual tudo foi subvertido a fim de cumprir com um paradigma que enferma de dois erros crassos, por um lado uma visão mecanicista da saúde incrivelmente redutora e pelo outro a total submissão a interesses mercantilistas.

Conjuntamente, uma perigosa cegueira institucional aliada à insana meta de satisfazer a crescente ânsia do lucro, explicam o imenso e crescente desajuste a que se chegou. O caos que se verifica nesta área é irreversível e os médicos que têm vivido à sombra da FARMÁFIA andam terrivelmente assustados. O terreno está a fugir-lhes debaixo dos pés em movimento uniformemente acelerado. As premissas em que assenta a filosofia mecanicista imposta nas faculdades de medicina universidades ditas oficiais nos primórdios do século XX está totalmente ultrapassada e eles sentem-se perdidos, daí dispararem torto para todos os lados.

Na verdade, como se sabe, nós somos muitíssimo mais que o corpo físico biológico, mas os infelizes que têm teimado em negar esta verdade mais que comprovada, estão agora indefesos face à sua terrível ignorância. São ridiculamente semelhantes a sapateiros remendões que teimam em usar os protectores, capas e tacões para velhas botas cardadas nas sapatilhas e chinelos de enfiar nos dedos que hoje se usam.

A medicina eficaz e necessária passa pela aceitação de recentes postulados e princípios quânticos a par de conhecimento ancestral com resultados amplamente comprovados, tem por base a aceitação de que, antes de mais nada, somos seres energéticos e que a nossa saúde se baseia num conjunto de actos energéticos que nos conduzam ao perfeito funcionamento de todos os órgãos do nosso corpo físico.

Há razões históricas que envolvem a sociologia e a economia que justificam a ruptura fundamental entre a saúde e a medicina. Com o declínio do feudalismo e o ascenso do capitalismo, nomeadamente a partir da Revolução Industrial, acentuou-se essa ruptura, com uma hegemonia flagrante da medicina. Essa ruptura veio acompanhada da ruptura entre o corpo e a mente, o eu e o outro, a pessoa e o contexto, com relações económicas e comunitárias dentro de um mundo em intenso processo de burocratização e desencanto.

Tal ruptura, ocorrida no âmago do ferocíssimo e impiedoso capitalismo moderno, aliou interesses económicos irracionais ao processo de divisão do trabalho e da burocratização, o que cada vez menos permitiu situar a doença entre a biografia individual e o mundo social, factor esse que explica a impossibilidade da medicina científica, então emergente, compreender um número muito grande de doenças da actualidade.

Com base em algumas descobertas, a medicina pensou ter-se tornado uma ciência natural que teria o poder de controlar todas as doenças pela descoberta de antídotos específicos às suas causas específicas, tendo o indivíduo e não a população como objecto de interesse. Entretanto, a questão da saúde, que estava a verificar um desenvolvimento muito promissor na medicina social, concebida por filósofos sociais e cientistas médicos, foi relegada para um segundo plano, apesar da clareza com que era demonstrado que as doenças provêm das condições sociais do trabalho e da vida em geral.

A reforma da profissão médica nos primórdios do século XX viria consolidar a hegemonia do paradigma mecanicista, enquanto consolidava a formação duma profissão médica com um grau de poder, riqueza e prestígio sem paralelo. A descoberta dos antibióticos a partir de 1930 e a sua comercialização depois de 1945 reflectiram o auge desse paradigma, levando muitos a crerem que a quimioterapia resolveria a maioria dos problemas de saúde. Foi o ascender duma medicina baseada em enormes hospitais e alta tecnologia, ambos muitíssimo dispendiosos. Nada mais errado, como hoje sabemos…

Mais recentemente, no entanto, dois factores fundamentais contribuíram decisivamente para abalar de forma determinante os alicerces do paradigma mecanicista: um é a incapacidade de conceptualizar os problemas modernos da saúde humana e o outro os custos crescentes que tal medicina comporta, incompatível com o ideal de democratização da oferta de serviços médicos.

Ao contrário do que se deveria esperar, temos a comprovação de que o aumento do nível da actividade médica está muito longe de corresponder ao aumento do nível de saúde da população, verificando-se, sobretudo nestas duas últimas décadas, que a implementação de recursos na área médica, agravada por inúmeras doenças directamente provocadas pela acção directa da intervenção médica, se tem reflectido em ganhos em saúde irrisórios na maioria dos países desenvolvidos.

Outro ponto que abala o paradigma mecanicista é a grande proporção de doenças degenerativas tais como o cancro, doenças cardíacas, hipertensão arterial, doenças psiquiátricas, entre outras, que não se mostram tratáveis pela intervenção tecnológica baseada no modelo de doenças com uma única causa. Muitos autores têm considerado não só essas doenças, mas também as infecciosas como de múltipla causalidade, na qual o corpo, a mente e o meio-ambiente (incluindo microorganismos exógenos, mas não limitado a estes) interagem para produzir a doença ou para a curar.

Na verdade, nós possuímos a maior parte dos germes causadores das doenças, porém, eles só se manifestam quando diminui a nossa resistência ou quando a nossa susceptibilidade aumenta, o que nos remete forçosamente para as condições sociais que as propiciam.

No dia em que os médicos, com alguma humildade é certo, admitirem que os seus pacientes não são objectos experimentais, mas sim seres humanos integrados num meio e que possuem mente e emoções determinantes para o seu bem-estar físico, a medicina terá dado finalmente o salto evolutivo que há decénios vem sendo exigido, e só então, os médicos deixarão de ter razão para andar assustados.
 


<  índice  voltar  >
Nota: Os produtos, técnicas, terapias e informações deste sítio não substituem a consulta do seu médico ou especialista!

Sede e Endereço Postal: Florais ZED - Centro Comercial D. Dinis, Sala 703 - Av. Combatentes da Grande Guerra - 2400-122 LEIRIA - PORTUGAL
Telefones: 00351 244836160, 00351 938195335         e-Mails: Terapias, Formação e Produtos [].
Está absolutamente interdita e sujeita a processo judicial qualquer forma de cópia ou reprodução dos conteúdos das páginas deste sítio.
O 7ºzed é a sede física dos Florais ZED, essências florais de Portugal desde 2001
Copyright © 2006-2020 - Francisco Godinho, Leiria.  Web-Designer [] Última modificação desta página: 15/01/20 Visitas desde 01/10/06: